Durma com um barulho desse!!!

Bactérias acumuladas em celular podem causar herpes e conjuntivite.
Experimento feito por especialistas de Campinas constatou contaminação. Risco é maior em mães de recém-nascidos; eles também podem adoecer.

Quem não leva o telefone celular para o banheiro, em seguida para a cozinha e depois para o quarto, até coloca sobre o travesseiro que vai dormir? O hábito comum representa um risco para a saúde, que foi comprovado em um experimento feito pelas Faculdades Integradas Metropolitanas de Campinas (Metrocamp) com aparelhos de moradores da cidade.

Pode causar conjuntivite e várias outras infecções”
Rosana Santos, professora de microbiologia

“Se o aparelho estiver contaminado e a pessoa levar a mão à boca, pode causar herpes labial. Ao esfregar o olho, pode causar conjuntivite, e varias outras infecções”, afirma a professora de microbiologia da Rosana Siqueira dos Santos.

Os celulares são objetos constantemente manuseados e, por isso, podem conter bactérias e fungos que causam riscos à saúde. A análise detectou microorganismos que causam contaminação cruzada, que acontece quando batérias do objeto entram em contato com o corpo.

No experimento, a professora de microbilogia constatou que todos os celulares das pessoas que toparam fazer o teste, no Centro de Campinas (SP), estão contaminados. A maneira mais eficaz de reduzir o índice de contaminações é o uso frequente de álcool em gel 70% para a esterilização do aparelho.

Análise das amostras do telefone celular mostram contaminação em Campinas

Risco para recém-nascidos

Mulheres que são mães de bebês recém-nascidos devem ter um cuidado maior com o uso e os locais onde deposita o telefone celular. Estas crianças têm a imunidade baixa e podem ter complicações mais graves, como infecções intestinais, rinite e asma.

Celular contaminado pode causar herpes labial e conjuntivite

O ideal, segundo a especialista, é higienizar as mãos cada vez que o celular for utilizado. Mas, o aparelho também precisa de uma limpeza apropriada, suficiente para eliminar fungos, micróbios e bactérias, e sem colocar as conexões em risco por causa da umidade.

Diariamente, a limpeza pode ser feita, na capa e no aparelho, com o álcool, ou a cada vez que ele cair no chão.

Kleiton Mangolin, dono de uma assistência técnica especializada da cidade, ensina que basta retirar a parte de traz (bateria) do celular desligado, colocar um pouco do produto em uma toalha macia e passar por todo o telefone. Enxugue com uma toalha limpa ou papel absorvente.

O aparelho só deve ser ligado novamente após cerca de 15 minutos, para garantir que o álcool evaporou.

No entanto, a cada seis meses é recomendado fazer uma limpeza nos contatos internos do telefone, que só deve ser feita em uma loja especializada. O custo médio é de R$ 80 a R$ 120, dependendo do modelo.